Certificação de processos

Você já parou para pensar sobre a importância das autoescolas no processo de formação de condutores? Estamos falando de uma prática que permite que o cidadão tenha acesso a conhecimentos teóricos e práticos, atrelados à direção de veículos e, principalmente, à legislação de trânsito brasileira.

Para que o processo de formação de condutores dê certo, os CFCs (Centros de Formação de Condutores), em alinhamento com os DETRANs nos estados, cumprem procedimentos básicos para garantir que o condutor esteja preparado para dirigir, a exemplo da fase de aulas teóricas, seguida do acompanhamento prático com um instrutor autorizado.

Ao mesmo tempo, as tecnologias para a realização das aulas e exames foram se aperfeiçoando, dando mais celeridade e assertividade às rotinas de formação tanto do ponto de vista dos CFCs, quanto da prestação de serviços pelo DETRAN.

No entanto, de 2020 para cá, o cenário foi afetado pelas ações de combate à pandemia do Coronavírus, e até mesmo os procedimentos de formação foram afetados, fazendo com que tecnologias avançadas fossem incorporadas a essa realidade. Mas, por que isso aconteceu? Porque com o risco iminente de manter aulas e exames presenciais, foi necessário buscar alternativas com a segurança devida para realizar boa parte do processo remotamente, por meio de plataformas online.

Foi aí que as aulas remotas se mostraram ainda mais relevantes, passando a aperfeiçoar também o processo para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação.

Aulas remotas em cursos de formação de condutores

Em junho de 2020, o Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) autorizou a realização da modalidade remota para o curso de formação de condutores nas aulas e provas da fase teórica, considerando a mesma carga horária e duração. Assim, os CFCs puderam contar com essa facilidade para continuar operando e evitar que os processos para habilitação ficassem parados.

Para isso, no entanto, foi necessário apostar em ferramentas capazes de fazer o cruzamento de informações com as bases de dados dos órgãos de trânsito, bem como integração a mecanismos de autenticidade biométrica, cruciais para garantir a idoneidade do aluno que acessa as aulas de forma remota.

Então, com o início das aulas remotas, os alunos e instrutores confirmam sua presença online quando são submetidos, a cada início de aula, a realizar o reconhecimento biométrico facial dentro da ferramenta, garantido a segurança da operação.

Como destacou o coordenador de Educação e Saúde para o Trânsito no Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), Everaldo Valenga, ao Portal do Trânsito, "as aulas remotas trouxeram mais flexibilidade e economia para os CFCs e cidadãos, e há possibilidade de que o formato seja mantido no pós-pandemia".

Além do uso da biometria para a realização das aulas pelos CFC’s, os DETRAN’s também precisaram adotar ferramentas especializadas e com tecnologia biométrica para acompanhar todo o momento de prova. O uso de um software capaz de avaliar a expressão facial do condutor durante toda a prova, verificando movimentos suspeitos, como uma conversa com outras pessoas ou consulta a materiais externos, para evitar qualquer tipo de fraude na avaliação.

Nesse contexto, os estados seguem evoluindo suas tecnologias para garantir que tanto as aulas quanto as provas tenham total segurança e gere benefícios para todos os envolvidos. Em Pernambuco, por exemplo, a aposta na tecnologia remota tem sido vista de forma positiva e deve avançar ainda mais, como explica o Diretor Geral do DETRAN/PE, Sebastião Marinho.

Essas tecnologias contribuíram para a evolução das autoescolas e o ganho na segurança foi extremamente significativo. O próximo passo do DETRAN de Pernambuco será implantar a prova remota dentro dos CFC’s com toda segurança e controle, diferentemente do que está sendo aplicado em outros estados”, enfatiza o gestor público.

Além disso, ele explica que esse próximo passo já atende a uma prerrogativa do DETRAN que o próprio Código de Trânsito Brasileiro prevê. “Já é norma, já está legalizado”, comentou.

Buscamos modernizar o processo de formação do condutor para proporcionar mais celeridade e comodidade para o cidadão na obtenção da CNH, como também mais segurança para os servidores. Dessa forma, é possível ter todas as etapas do processo no formato digital e 100% seguro. O DETRAN de Pernambuco há muito tempo já investe na modernização dos seus serviços e somos referência para outros estados. Agora, com esses avanços, mais uma vez seremos pioneiros com a implantação da prova remota”, ressalta Sebastião Marinho.

Tecnologias Vsoft para formação de condutores

O exemplo trazido pela fala do Diretor Geral do DETRAN/PE mostra que o movimento para modernização dos serviços atrelados à CNH tem sido um ponto de atenção dos estados. Pensando na modernização desses serviços, a Vsoft desenvolveu um sistema especializado, focado em inteligência artificial, biometria e inteligência de dados para oferecer segurança e eficiência para os CFC’s, DETRAN’s e usuários, na realização de aulas e provas teóricas remotamente.

Trata-se do SuperPrático, uma plataforma completa e intuitiva para o nicho de CFC’s. A ferramenta conta com o SuperAula, um programa de ensino remoto que pode ser acessado através do uso de reconhecimento facial, por alunos e instrutores de qualquer lugar. A tecnologia já foi responsável por mais de 100 mil turmas de aprendizado para a emissão da CNH.

Além disso, também é oferecido o Exame Teórico, que disponibiliza diversos recursos de segurança para evitar fraudes nas provas remotas.

Prova teórica

Exame Teórico é uma extensão específica do SuperPrático para aplicação de provas teóricas e acompanhamento do comportamento do aluno. Ele utiliza inteligência artificial para fazer todo o monitoramento do candidato, do início ao fim do exame. Além disso, é totalmente integrado ao sistema do DETRAN, e segue todas as normas do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN).

Como funciona - O recurso atua na identificação do aluno para garantir que ele é mesmo quem diz ser, eliminando os riscos de falsa identidade, já que o software da Vsoft usa autenticação por reconhecimento facial no login e durante a execução do exame. Assim, torna-se um aliado para legitimar a nova fase online para muitos CFC's, deixando de lado dúvidas sobre segurança, fraudes ou morosidade dos serviços.

Como conta o Product Owner da Vsoft, Fábio Falcão, "a plataforma traz um ambiente de segurança completo que não permite que o candidato utilize outras aplicações no computador. A tecnologia já envolveu mais de 1 milhão de alunos e é baseada na autenticidade de candidatos, navegador de exame seguro e monitoramento que pode ser realizado por IA (inteligência artificial) ou pessoa com permissão".

O SuperPrático Exame Teórico faz toda a análise de desvio de olhar, giro de cabeça, saída da frente do computador, avalia se há outra pessoa auxiliando e outros fatores que possam apontar uma fraude”, acrescenta o PO.

Conheça os detalhes do Exame Teórico

Agora que você conheceu um pouco dos produtos da Vsoft pensados para a formação de condutores, aproveite para entrar em contato e saber mais detalhes do uso do SuperPrático no dia a dia da sua instituição ou CFC.

Author

Posts relacionados

Todos os posts
go  top