Biometria

Como especialista em soluções de biometria e identificação de pessoas, a Vsoft vem trabalhando em uma nova tecnologia biométrica capaz de coletar a biometria de recém-nascidos por meio da coleta de traços da orelha. A iniciativa vai ajudar na identificação dos bebês desde a maternidade, de forma acessível e barata.

Mas, antes de falar mais sobre o assunto, vamos dar um passo atrás no que diz respeito ao registro civil de pessoas no Brasil. Isso porque, a edição 2021 do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) realizada em novembro resgatou uma discussão importante: o papel do registro civil para reconhecimento do cidadão e garantia de direitos básicos.

Na verdade, estima-se que, atualmente, mais de 3 milhões de brasileiros não tenham registro, o que significa que eles seguem invisíveis para o Estado, já que, sem a certidão de nascimento, não conseguem ter acesso a outros documentos básicos, como RG e CPF e, consequentemente, se distanciam dos serviços essenciais, como saúde, educação e programas sociais.

De acordo com a Agência Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen), até os anos 2000 o índice de pessoas “invisíveis para o Estado” era ainda maior. Para mudar a realidade, iniciativas passaram a ser adotadas pelos estados, a exemplo da emissão gratuita da certidão de nascimento - que antes era paga; registro direto dos recém-nascidos nas maternidades por meio das Unidades Interligadas, e a realização de mutirões da cidadania nas zonas rurais e urbanas.

Nesse cenário, a tecnologia também tem sido essencial, já que os sistemas digitais ajudam a dar mais celeridade e mobilidade às equipes responsáveis pelos registros civis nos cartórios. É o caso do Recivil em Minas Gerais, que permite que as unidades em maternidades se comuniquem diretamente com os cartórios responsáveis, da Central de Registro Civil que funciona em Alagoas, interligando os cartórios estaduais e do Programa Cidadão, na Paraíba.

Assim, ao mesmo tempo, em que o país já começa a adotar recursos como a identidade digital para cidadãos registrados, biometria, aperfeiçoamento cadastral e segurança de dados, a tendência é que as iniciativas de registro de pessoas também se tornem mais modernas e seguras ao contar com tecnologias específicas, a exemplo da biometria da orelha, a primeira do mundo - que está sendo desenvolvida de forma pioneira pela Vsoft.

O que é e como funciona a biometria da orelha?

O projeto da Vsoft vem sendo desenvolvido desde antes da pandemia, em parceria com a Universidade Federal da Paraíba, para que algoritmos de identificação consigam reconhecer o bebê por meio da foto da sua orelha.

Isso será possível porque a orelha carrega traços que se mantêm também na vida adulta, permitindo que os dados biométricos sejam úteis não apenas durante a fase neonatal, mas durante toda a vida.

Pedro Alves, Co-CEO da Vsoft, explica que o intuito é facilitar o processo de registro ainda na fase neonatal. “As biometrias tradicionais, como facial e digital, não funcionam bem em recém-nascidos, porque há uma dificuldade de captura desses traços identitários. As linhas das orelhas, porém, são iguais durante toda a vida”, ressalta, complementando que as biometrias da palma da mão e do pé até serviriam para a identificação, mas a tecnologia não estaria adequada à realidade dos hospitais brasileiros, já que seria muito mais cara.

Enquanto hoje a emissão das certidões neonatal é feita com a “declaração de nascido vivo” entregue pelos hospitais, com a biometria da orelha será possível registrar o bebê e cadastrá-lo com identificação física nos sistemas de registro de pessoas. Além disso, o CPF, que hoje é emitido com a certidão com os nomes dos pais, irá ganhar a confirmação biométrica, evitando inconsistências cadastrais e até fraudes de identidade.

Preocupação com acessibilidade da tecnologia

Desde o início do trabalho, a Vsoft desenvolve estudos que irão garantir maturidade suficiente ao algoritmo de inteligência para que a biometria da orelha acompanhe, de fato, o crescimento do bebê, consolidando a identificação.

Paralelo a isso, os estados já estão aplicando tecnologias de biometria nos hospitais em cumprimento à portaria do Ministério da Saúde, de 2018, que torna obrigatória a coleta de biometria dos recém-nascidos.

O diferencial da Vsoft, no entanto, está na precisão da coleta, facilidade de uso e no baixo custo de implementação, já que o intuito é fazer com que o processo seja realizado com a ajuda de qualquer câmera de dispositivo móvel integrada ao sistema de identificação.

Quais os benefícios atrelados à biometria de recém-nascidos?

Como já mencionamos em parágrafo anterior, os estados brasileiros estão caminhando para aperfeiçoar todo o aparato atrelado à identificação dos cidadãos. Recursos como o RG Digital, uma tecnologia que também é desenvolvida pela Vsoft, já chegaram ao mercado para mostrar que é possível oferecer mais segurança e assertividade cadastral para combater fraudes e oferecer uma experiência mais completa à população.

Por isso, quando falamos da identificação neonatal, não poderia ser diferente. A tendência é que as biometrias para recém-nascidos se tornem mais acessíveis para que existam nas diferentes instituições de saúde.

Desta forma, além de ter o baixo custo como foco, a biometria da orelha se destaca pelos seguintes pontos:

- Precisão na identificação do recém-nascido, já que os traços da orelha são individuais e facilitam o uso biométrico;

- Facilidade na implementação, principalmente porque a Vsoft tem preparado a solução com esse intuito;

- Aperfeiçoamento do cadastro do recém-nascido, já que ele poderá sair do hospital com CPF já incluindo validação biométrica;

- Melhoria dos métodos de identificação de bebês, já que outras alternativas requerem sensores que tornam a estrutura de implantação muito cara.

Governo digital

Além da biometria para recém-nascidos, a Vsoft é responsável por fornecer tecnologias para as gestões públicas em alguns estados brasileiros. São soluções que consolidam a atuação digital dos governos, integrando serviços ao cidadão, identificação biométrica e inteligência de dados. Exemplo disso é o atual Governo digital, implantado na Paraíba, que reúne uma série de serviços para a população.

Desta forma, os serviços da marca ajudam os Estados parceiros a estarem mais próximos da população e carregam o propósito de promover a identificação inequívoca do cidadão como fundamento principal para a oferta de serviços públicos de qualidade.

Para saber mais sobre a expertise em identificação de pessoas, conheça os detalhes do BiopassID, tecnologia da Vsoft de biometria e inteligência artificial.

Success! You're signed up
Oops! Something went wrong while submitting the form.
go  top